Folha da Paróquia

Publicado por Paróquia | segunda-feira, 26 de Junho de 2017

PORTAL DA BAJOUCA

BAJOUCA 25/JUNHO/2017

ANO 2 Nº 33 tf: 244684347 email pdavide@sapo.pt tm 961641627

12º DOMINGO DO TEMPO COMUM EVANGELHO

 - Mt 10,26-33 Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos: "Não tenhais medo dos homens, pois nada há encoberto que não venha a descobrir-se, nada há oculto que não venha a conhecerse. O que vos digo às escuras, dizei-o à luz do dia; e o que escutais ao ouvido proclamai-o sobre os telhados. Não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma.

 Temei antes Aquele que pode lançar na geena a alma e o corpo. As leituras deste domingo põem em relevo a dificuldade em viver como discípulo, dando testemunho do projecto de Deus no mundo. Sugerem que a perseguição está sempre no horizonte do discípulo. Mas garantem também que a solicitude e o amor de Deus não abandonam o discípulo que dá testemunho da salvação.

 A primeira leitura apresenta-nos o exemplo de um profeta do Antigo Testamento - Jeremias. É o paradigma do profeta sofredor, que experimenta a perseguição, a solidão, o abandono por causa da Palavra; no entanto, não deixa de confiar em Deus e de anunciar - com coerência e fidelidade - as propostas de Deus para os homens.

 No Evangelho, é o próprio Jesus que, ao enviar os discípulos, os avisa para a inevitabilidade das perseguições e das incompreensões; mas acrescenta: "não temais". Jesus garante aos seus a presença contínua, a solicitude e o amor de Deus, ao longo de toda a sua caminhada pelo mundo. Na segunda leitura, Paulo demonstra aos cristãos de Roma como a fidelidade aos projectos de Deus gera vida e como uma vida organizada numa dinâmica de egoísmo e de auto-suficiência gera morte. (Dehon)

SEMANA de 26 de JUNHO DE 2017 a 2 de JULHO 

Terça-Feira: -reunião dos padres da vigararia, às 10h. 

quarta-feira: Missa às 20h30; (vigília S. Pedro e S. Paulo) 

+Luís Pedrosa Domingues, esposa, filhas, familiares int família (C. da Bouça) 

+Reinaldo Jesus Raimundo int esposa, filhas

 + Laura Pereira Ferreira, pais, sogros e familiares int. marido (Loural) 

+ Pelas almas do Purgatório int. Prazeres ( M. Engenho)

 + António de Jesus Pedrosa, filhos, neto e familiares int. esposa e filhos ( M. Engenho) 

quinta-feira: Missa às 20h30 

+ Rosa Clara de Oliveira int. Irmandades (Bj. Baixo) 

SÁBADO : Missa às 19h15 (1º do mês) 1ª Leitura:Anabela Carreira. 2ª leitura Álvaro Pedrosa. Oração Universal: Virgínia Pedrosa. 

+Emília de Jesus Domingues int filha ( Vale Bj)

 +António Mestre, esposa int filha Olívia 

+ Intenções de Emília de Oliveira Costa (Ninho de águia ) 

+ Manuel Francisco Jerónimo, esposa,filho e genro int. filho Manuel ( V. Baixo ) 

+ Reinaldo de Jesus Raimundo, pais,sogros e familiares int. esposa (Escoura) 

+ Almas do Purgatório int. Prazeres ( M. Engenho) 

+ Devotos da Imagem Peregrina ( A. Formosa) e ( Bj. Baixo) 

+ Associados de Nossa Senhora do Rosário vivos e falecidos 

13º DOMINGO do tempo COMUM BAJOUCA: 

Missa às 9h00 SERVIÇO LITURGICO: Vale Baixo 

CARNIDE: Missa às 10h30 

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente, diz que incêndios como os de Pedrogão Grande, que teve um custo "caríssimo, em termos humanos e ambientais", deve levar a repensar as estratégias de prevenção e segurança.

Numa altura em que está a ser investigada a origem desta tragédia que abalou o país, e que de acordo com os últimos balanços causou 64 mortos e 200 feridos, D. Manuel Clemente sublinha que "uma desgraça" tão "grande" tem de levar à criação de "medidas estruturais" que mostrem que Portugal "não se conforma" com esta realidade. "A melhor maneira de homenagear os mortos é evitar que haja outros. 

Agora isso tem que ser efetivamente levado por todos, antes de mais pelo Estado que é o primeiro servidor do bem-comum e é quem tem recursos para isso". Em abril deste ano, os bispos portugueses publicaram uma nota pastoral intitulada "Cuidar da casa comum - prevenir e evitar os incêndios". Nesse documento, os responsáveis católicos alertavam para a importância de ninguém, a começar pelas autoridades responsáveis, se "acomodar" no que toca à resolução do problema dos fogos, e salientavam que as soluções não se resumem à necessária "limpeza das matas" e ao "ordenamento territorial". "As causas do flagelo dependem direta ou indiretamente da vontade humana", tendo "na origem de muitos incêndios, talvez da maioria, estão comportamentos criminosos, uns intencionais, outros pelo menos negligentes".

 No próximo dia 2 de julho, a Igreja Católica vai promover um peditório nacional, durante as celebrações eucarísticas, a favor das vítimas dos incêndios que fustigaram o Concelho de Pedrógão Grande e vários outros concelhos vizinhos. Para D. Manuel, "a primeira atitude dos católicos deve ser de solidariedade e presença para levantar o ânimo das pessoas e permitir reconstruir o futuro". "Vamos ter esse primeiro domingo de julho reservado a rezar pelos que partiram e pelos que ficaram, por quem foi vitimado, e também recolher apoios financeiros que serão encaminhados para a Cáritas Portuguesa o que for preciso apoiar.

 As cinco decisões/normas para prevenir e combater os incêndios: apontadas pelos bispos de Portugal 

1. Apurar as causas de "comportamentos criminosos" que estão na origem de muitos incêndios, "detetar e combater interesses" associados e punir os "responsáveis, diretos ou indiretos, por tais crimes"; 

2. Respeitar e seguir as "medidas de prevenção, nomeadamente de limpeza das matas e de ordenamento territorial", apoiando os proprietários nos casos em que "os terrenos lhes proporcionam rendimentos escassos" e desafiando o Estado a "dar o exemplo"; 

3. Valorizar, promover e alargar o sentido do bem comum, traduzido no compromisso ativo de muitos cidadãos "quer na prevenção quer no combate aos incêndios", "destacando-se os bombeiros pelo profissionalismo e o modo abnegado e desinteressado com que o fazem", e nas "manifestações de humanismo e solidariedade" que sempre surgem;

 4. Olhar a natureza "não como uma simples fonte de utilidade e rendimento económico" e "sujeita a explorações", mas "respeitá-la e valorizá-la, na sua bondade, harmonia e equilíbrio, como um dom que recebemos e um legado que devemos esforçar-nos por transmitir às gerações futuras";

 5. Mobilizar "toda a sociedade" para a "mudança de mentalidades e hábitos sociais", "tão necessária para a prevenção e o combate aos incêndios": o Estado, a "Igreja e todas as outras confissões religiosas", as autarquias, as escolas, a comunicação social e "as mais variadas associações.

ADIVINHAS

 1."Qual é o melhor companheiro e o pior inimigo?" 2."Qual é a coisa qual é ela Que corre no mato E não corre na estrada." (o fogo)

Interlugares 2017

 - Futsal Equipas: 1. Loural, 2.Marco/Salgueiros, 3.Bajouca de Baixo/Água Formosa, 4.Bouça de Cá, 5.Marinha do Engenho/Matas, 6.Andrezes, 7.Vale de Cima/Cavadas, 8.Lameiras, 9.Bajouca de Cima/Outeiro, 10.Moital. Estão todos de parabéns. O desporto e desportivismo acima de tudo. 

 
 

Agenda de Eventos

Bajouca na Rede